CHAPECÓ
Início Notícias Ano letivo de 2022 deverá iniciar sem lista de espera por vagas...

Ano letivo de 2022 deverá iniciar sem lista de espera por vagas em creches em Concórdia

Liminar obtida pelo MPSC determina o atendimento de todas as crianças de até quatro anos de idade que necessitarem do serviço público. Atualmente, mais de 400 crianças esperam por uma vaga nas creches municipais de Concórdia.

9339

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve medida liminar para garantir o acesso ao ensino público de todas as crianças de até quatro anos de idade que tiverem necessidade do serviço, zerando a fila de espera que atualmente ultrapassa o número de 400 crianças. O prazo máximo para o cumprimento da decisão judicial é o início do ano letivo de 2022.

A ação com o pedido liminar foi ajuizada em julho deste ano pela 3ª Promotoria da Comarca de Concórdia após apurar, em inquérito civil aberto a partir de representações de cidadãos, a existência um déficit de 740 vagas na rede municipal de educação infantil.

“A cada dia que passa, crianças estão sem ter acesso à educação e genitores possuem dificuldade de trabalhar por não ter com quem deixar seus filhos, situação que somente será sanada quando houver vagas em creches para todos”, considerou na ação o Promotor de Justiça Marcos De Martino.

A medida liminar foi inicialmente negada pelo Juízo da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Concórdia, diante da informação do Município de que havia matriculado 675 alunos que estavam em fila de espera na educação infantil após a apuração do Ministério Público, e que estaria promovendo adaptações a fim de atender a todos até o mês de setembro deste ano.

No entanto, ao contrário do que havia informado o município, a Promotoria de Justiça apurou que em novembro o número de crianças em lista de espera chegava a 439 alunos. Assim, requereu ao Poder Judiciário nova análise do pedido liminar.

“Passados mais de três meses desde o ajuizamento da demanda, verifica-se que a situação ainda não foi resolvida. Além disso, mesmo após a judicialização do problema, aportaram nesta Promotoria de Justiça diversas representações sobre a ausência de vagas e o atendimento parcial nos Centros Municipais de Educação Infantil”, destacou De Martino em sua nova manifestação pela concessão da liminar.

Diante dos fatos novos juntados ao processo, o Juízo da Infância e Juventude deferiu a tutela de urgência. “O réu sequer informou a previsão de atendimento integral. Informa apenas que está tentado resolver a situação e que as filas oscilam diariamente. Porém, não apresentou medidas concretas que zerem a lista de espera”, registrou o magistrado na decisão.

Como requerido pelo Ministério Público, a medida liminar exige também que as vagas sejam ofertadas respeitando a estrutura física adequada e as normas sanitárias de combate à pandemia. Em caso de descumprimento da decisão judicial, o Município fica sujeito à multa diária de R$ 200, limitada a R$ 50mil. A medida liminar é passível de recurso. (Ação n. 5007596-15.2021.8.24.0019)

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social