Bolsonaro vai participar de evento para 200 convidados em Chapecó

9968

Apontada pelo presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) como exemplo no combate ao coronavírus, a cidade de Chapecó (SC) vai receber o mandatário nesta quarta-feira (7) em uma visita de trabalho. O chefe da nação quer conhecer a estrutura de saúde considerada por ele um “trabalho excepcional”.
Em discurso na segunda-feira (5) durante um evento no Distrito Federal, o presidente rasgou elogios ao trabalho feito no combate à Covid-19 pelo prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), que tomou posse em janeiro.
“É uma obra fantástica por parte dele. É um exemplo a ser seguido, por isso estou indo para lá. Para exatamente não só ver, mas para mostrar a todo o Brasil que o vírus é grave e que seus efeitos têm como ser combatidos”, observou.
O presidente estará acompanhado do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que deve reforçar o discurso em favor do atendimento precoce contra o novo coronavírus, uma vez que em Chapecó, conforme Bolsonaro, “o médico tem total liberdade para trabalhar com o paciente”.
No fim de semana, o prefeito catarinense publicou um vídeo no qual incentiva governadores e prefeitos a adotarem “tratamento precoce”, que não tem eficácia comprovada. O presidente compartilhou o vídeo em suas redes sociais e escreveu na legenda: “Ouçam o prefeito de Chapecó”.
No vídeo, João Rodrigues diz: “Aqui em Chapecó nós adotamos todos os protocolos. O protocolo do tratamento precoce também foi adotado. Atenção prefeitos e governadores, não tenham medo. Abram suas portas, tratem seus pacientes com tudo aquilo que é possível. Pela ciência também, claro que sim. Mas permitam que os médicos que têm vontade de fazer o tratamento precoce façam. Dê apoio. Foi o que nós fizemos em Chapecó”.
Todavia, no vídeo não é informado que a cidade passou por medidas duras de restrição. Entre os dias 23 de fevereiro e 7 de marco, Chapecó aderiu ao lockdown parcial, medida que Bolsonaro por diversas oportunidades já se mostrou contrário.
Em fevereiro, ao conversar com um apoiador de Chapecó, no Palácio da Alvorada, Bolsonaro perguntou se a cidade havia melhorado. O homem respondeu que o prefeito havia determinado um “lockdown”, e o presidente questionou a medida: “Lockdown não resolve… Para que lockdown?”
No final de março, a cidade também restringiu o funcionamento de atividades não essenciais, como casas noturnas, bares e restaurantes com limite de ocupação, assim como as demais regiões catarinenses.

Visita a Chapecó
O roteiro oficial da visita presidencial em Chapecó já está sendo montado, mas, ainda não foi divulgado oficialmente pela assessoria do Governo Federal. A equipe de segurança está na cidade desde segunda-feira (5) para organizar a agenda.
A prefeitura informou que Jair Bolsonaro deve desembarcar na cidade às 9h desta quarta-feira no aeroporto municipal. Às 10 horas o presidente irá participar de um evento fechado para 200 pessoas no teatro do Centro de Eventos, que tem capacidade para mil pessoas. O nome dos convidados não foi revelado.
Ele deve conhecer também o CAAC (Centro Avançado de Atendimento Covid-19), transformado em poucos dias em Hospital de Emergência.
O prefeito vai expor ao presidente da República todo o plano ali executado e os investimentos que serão feitos a partir de agora. Além do Hospital de Emergência, foi realizada uma mobilização para testagem rápida da população, a transformação de todas as unidades de saúde em Unidades Covid-19 e adotado “tratamento precoce” como alternativa para combater a doença.
O CAAC, que foi montado no Centro de Eventos de Chapecó, chegou a ter 65 pacientes na Enfermaria e 20 na UTI Semi Intensiva, mas no fim de semana zerou o número de pacientes atendidos no espaço. A estrutura começou a receber pacientes no dia 24 de fevereiro, num momento em que o HRO (Hospital Regional do Oeste) estava lotado, a UPA igualmente com ocupação máxima.
Depois de passar por Santa Catarina, Bolsonaro segue com a comitiva presidencial para Foz do Iguaçu (PR), onde às 13h30 acompanhará a posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu, João Francisco Ferreira.
Por fim, ele termina o dia em São Paulo, onde terá um jantar com empresários, que terá Washington Cinel, dono da empresa de segurança Gocil, como anfitrião.
Há expectativa ainda de que os ministros Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), Fábio Faria (Comunicações), Paulo Guedes (Economia) e Tarcísio de Freitas (Infraestrutura) acompanhem o presidente na agenda, segundo o jornal O Globo.
Mais infectados e mortos em 24h
A cidade que enfrentou colapso de saúde em fevereiro e março, precisou transferir pacientes, adotar restrições de circulação e ampliar o número de leitos. Chapecó tem 541 mortos pela pandemia, sendo que mais de 400 foram registrados neste ano.
Em março, a cidade foi visitada pelo ex-ministro Eduardo Pazuello, que não anunciou ações relevantes, mas declarou que o modelo adotado pela prefeitura era “um exemplo”.
Em 24 horas, conforme o Boletim Epidemiológico desta terça-feira (6), o número de casos ativos de Covid-19 saltou de 392 para 606 na cidade. Já o de pacientes com suspeita, baixou de 300 para 228.
A ocupação hospitalar também caiu de 193 internações para 187 e pela primeira vez no último mês, a cidade não tem pacientes em espera por leitos de UTI, conforme o governo catarinense.
Há dois meses, em 5 de fevereiro, o município registrava 153 óbitos desde o início da pandemia, contudo, o número mais do que triplicou desde então. Nesta terça-feira foram confirmados mais quatro óbitos, sendo que três foram na última segunda-feira.
Fonte: ND+
Foto: Marcos Corrêa/PR