CHAPECÓ
Geral Comarca de Chapecó leva sessão do Tribunal do Júri para universidade

Comarca de Chapecó leva sessão do Tribunal do Júri para universidade

9150

Cerca de 350 acadêmicos dos cursos de Direito e Psicologia, da Universidade Comunitária Regional de Chapecó (Unochapecó), formaram o grande público do júri popular ocorrido na comarca do município-sede nessa sexta-feira (10/6). Toda a estrutura para um Tribunal do Júri foi montada no salão nobre da instituição.

Os crimes em julgamento foram dois homicídios: um consumado e outro tentado. Ambos cometidos pelo mesmo acusado. De acordo com a denúncia apresentada, na manhã do dia 10 de janeiro de 2015, o réu efetuou um disparo de arma de fogo a partir do lado de fora da residência da ex-companheira que acertou a cabeceira da cama. Dentro da casa, o acusado entrou no quarto e atirou contra a mulher e o atual namorado. Ela foi atingida e socorrida a tempo de se recuperar. O rapaz, de 21 anos, morreu no local.

O júri iniciou às 8h. Na parte da manhã foram reproduzidos os depoimentos, gravados em vídeo, de 10 testemunhas. O interrogatório do réu também ocorreu antes do intervalo do almoço. A tarde seguiu com a atuação do Ministério Público e dos advogados de defesa. Houve réplica e tréplica. Por volta de 19h, a sentença foi lida. O homem foi condenado a 16 anos e quatro meses de prisão, em regime fechado, por homicídio qualificado por motivo torpe e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. O conselho de sentença, formado por três homens e quatro mulheres, absolveu o réu do crime de tentativa de homicídio ao reconhecer o erro de execução. Ele também recebeu a pena de dois anos de reclusão, por porte ilegal de arma de fogo, totalizando 18 anos e quatro meses. Do júri, ele foi levado diretamente ao complexo prisional de Chapecó.

A sessão foi presidida pelo juiz da 1ª Vara Criminal da comarca de Chapecó, Jeferson Osvaldo Vieira. Em um outro momento anterior com a instituição de ensino, o magistrado sugeriu a possibilidade de realizar uma sessão do Tribunal do Júri na universidade. “O objetivo foi aproximar o Judiciário dos estudantes, dando-lhes a oportunidade de acompanhar de perto um ato processual eminentemente formal e relativo a caso prático bastante relevante”, considerou. O magistrado lembrou que as inscrições para a Escola da Magistratura Catarinense estão abertas até 25 de julho. A intenção é formar uma turma com alunos de Chapecó e região.

O defensor dativo, indicado pela Justiça, foi o advogado Vilmar Araújo que é professor no curso de Direito, da universidade. Segundo ele, os acadêmicos estão trabalhando em sala de aula sobre o caso julgado e a sessão do Tribunal do Júri finalizará o aprendizado em questão. “Nossa intenção é oportunizar o contato com a prática de todos os passos de um processo penal. Dessa forma também aproximamos Judiciário, comunidade acadêmica e sociedade, já que a decisão final sobre o caso foi dos jurados que são cidadãos chapecoenses”, destacou Araújo.

Um dos promotores de justiça que atuou na acusação, Gabriel Cavalett, estreou no Tribunal do Júri nessa sessão. Ele aproveitou o momento para destacar o sentimento de gratidão por trabalhar em um júri realizado, excepcionalmente, na universidade da qual é egresso.

Secured By miniOrange