Como a iluminação impacta o bem-estar dentro de casa?

9845

Foi-se o tempo em que a iluminação dos ambientes domésticos tinha como única função não deixar os espaços escuros. Atualmente, a premissa básica de levar luz aos lugares dá espaço está ligada a muitas outras possibilidades e resultados surpreendentes.

A arquiteta Lia Hermann destaca que essa mudança vem ocorrendo há pelo menos cinco anos: “A iluminação não é mais pensada como aquele elemento óbvio que existia no meio do ambiente somente para iluminar. Ela se tornou uma ferramenta para eficiência, funcionalidade e também está muito ligada às sensações que se quer proporcionar no espaço como um todo”, destaca. Desta forma, ela se conecta diretamente com a sensação de bem-estar que os ambientes podem proporcionar.

Além disso, as próprias técnicas decorativas mudaram. Hoje a iluminação não precisa estar presente somente no teto, pode ser colocada nas paredes ou por meio de luminárias de chão: é possível criar novas formas de iluminar.

Outra mudança é que muitos dos itens foram substituídos por LED, por uma questão de eficiência energética e economia.

Quais são os diferentes tipos de iluminação?

A luz de um espaço pode influenciar em vários aspectos, como na produtividade, concentração, motivação e, inclusive, na hora do descanso. “Para que cada espaço tenha uma iluminação que atenda às necessidades de quem irá utilizar, é super importante prestar atenção na escolha da temperatura, intensidade, cor e disposição das lâmpadas”, afirma a arquiteta.

Há uma gama gigantesca para explorar, como forma de valorizar espaços e sensações através da iluminação e, apesar de parecer uma tarefa simples, requer atenção na hora de posicionar as lâmpadas. Atualmente, podem ser citadas três das principais formas de investir no projeto luminotécnico e causar diferentes efeitos para o cômodo. São elas:

Iluminação difusa

É o mais simples e conhecido, no qual a luz é centralizada no teto do cômodo, iluminando o ambiente por completo e de um modo uniforme. Não é o modelo mais utilizado atualmente.

Iluminação direta

Como o nome já diz, a luz pode ser posicionada diretamente sobre algum objeto específico no ambiente. Geralmente, são usados itens como luminárias ou abajures. É uma boa opção para espaços que necessitam de mais foco e concentração, como o home office.

Iluminação indireta

Diferente da anterior, esta não tem um único foco, sendo capaz de iluminar o espaço por completo. Basicamente, a sua luz reflete em uma superfície e, em seguida, se espalha pelo ambiente. O resultado é um efeito bastante intimista.

Temperatura e seus efeitos

Os tipos de luzes podem ser divididos em três categorias de temperatura. São elas:

Luz quente

Ideal para causar a sensação de aconchego nos espaços, pois provocam relaxamento e bem-estar. É uma luz amarelada, ótima para ambientes intimistas.

Luz fria

Por ser mais clara e branca, é indicada para espaços que necessitam de mais atenção e poder de iluminação, como cozinhas e escritórios.

Luz neutra

 

Indicada para utilização em espaços grandes, ilumina de uma forma mais natural, sem distorcer cores dos objetos. Seu tom se assemelha à luz do dia.

Como iluminar corretamente cada ambiente?

Lia reforça que, além de bonita, a iluminação de uma residência precisa ter uma característica imprescindível: funcionalidade. “Por conta disso, as lâmpadas devem ser posicionadas de um diferentes modos, de acordo com as atividades que são realizadas em cada ambiente”, ressalta.

Conheça algumas dicas para não errar na escolha em cada cômodo:

Sala de estar

Considerada uma área de convivência, a sala de estar pede por uma luz geral centralizada. Para isso, utilize lustres ou plafons. Para destacar um cantinho especial, como aquele da leitura, invista na iluminação direta. Neste caso, luminárias de chão ou arandelas são excelentes opções. Prefira também as lâmpadas amareladas para aumentar a sensação de conforto e aconchego.

Cozinha

A cozinha é o local reservado para o preparo de refeições e, por isso, é necessário um projeto luminotécnico que aumente o foco. A sugestão é apostar na iluminação geral e incluir outras fontes de luz direta no restante do ambiente. Este é o caso das bancadas e pia. Para esse ambiente, as lâmpadas frias são as mais indicadas.

Quartos

Lugar especialmente reservado para o descanso, portanto, para causar um efeito intimista e aconchegante, é indicada uma única fonte de luz centralizada no teto, de preferência com luz quente. Já para as demais atividades do dia, os itens de iluminação direta podem ajudar a focar pontos estratégicos. Arandelas, luminárias de chão e abajures são excelentes para essa finalidade.

Banheiro

 

Neste espaço, o projeto luminotécnico deverá ser geral e com focos diretos de luz em pontos específicos, como no espelho, na bancada, no box e no vaso sanitário. Na iluminação geral, a melhor escolha são as lâmpadas fluorescentes, de modelos tubulares ou compactos.

Para finalizar, é importante sempre priorizar as particularidades de cada casa, de cada cliente, focando nas necessidades que a iluminação deve atender no dia a dia de quem irá utilizar e criando espaços funcionais e bonitos.

Flavia Mota