CHAPECÓ
Geral Construção Civil: Setor prevê recuperação rápida após crise do coronavírus

Construção Civil: Setor prevê recuperação rápida após crise do coronavírus

Construtora chapecoense mantém todos os funcionários do quadro e adotou medidas de segurança contra a doença.

9802

2020 iniciou com expectativas de expansão para a Construção Civil no Brasil. As previsões de crescimento eram de 3%, segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Porém, com a pandemia do coronavírus e a parada forçada das empresas, previsão é de que esse avanço seja interrompido.

Algumas das preocupações no setor são o aumento do valor de materiais, o risco de demissões e atrasos nas obras.

Para a Construtora Ápia, de Chapecó, que passou quase um mês com as atividades paralisadas, recuperar esse tempo não vai ser fácil. “O andamento das obras  afetou consideravelmente nossos cronogramas. Ainda hoje, encontramos dificuldades na compra de materiais, como recebimento e prazos para entrega. Os valores de diversos insumos também aumentaram, como o cimento e o cobre para fiação elétrica, por exemplo”, destaca o sócio-fundador da empresa, Andrey Sartor Fabre.

            Durante a paralisação, a Construtora optou por não dar férias aos colaboradores, sendo que funcionários de escritório trabalharam em regime de home office, enquanto os trabalhadores de obra foram dispensados, com dias de adiantamento que serão repostos posteriormente.

Com a retomada dos trabalhos, liberada por decreto do Governo do Estado desde o dia 2 de abril, a empresa retornou às atividades com cuidados redobrados para garantir a segurança dos colaboradores. “Tanto no setor do escritório, quanto nas obras, realizamos redução de turnos, implantamos o uso máscaras e álcool gel, além de exigir a distância mínima entre os funcionários. Estamos seguindo todas as medidas recomendadas pelo governo para a liberação das atividades”, salienta.

 

BOAS PERSPECTIVAS

            Mesmo com as dificuldades trazidas pela crise, Fabre relata que a Construtora segue com perspectivas otimistas e projeção de expansão. “Por incrível que pareça, estamos mantendo todos nossos colaboradores, e com expectativas de contratações”, afirma.

            O empresário também prevê que a recuperação do setor da construção civil seja rápida e que esta poderá ser uma aliada para impulsionar o crescimento da economia do país pós-pandemia. Para Fabre, as empresas sólidas vão permanecer bem posicionadas no mercado, apesar de o medo da situação econômica travar investimentos em um primeiro momento. “Acreditamos que partir da metade do ano, a tendência é de melhora nesse cenário .Permanecemos com a expectativa de um mercado que volte a crescer rapidamente e se recupere sem grandes impactos”, analisa. 

Flavia Mota