CHAPECÓ
Geral CORONAVÍRUS: Chapecó adota novas medidas restritivas

CORONAVÍRUS: Chapecó adota novas medidas restritivas

8401

O município de Chapecó divulgou na manhã desta quarta-feira (29) novas medidas de combate a Covid-19. A Comissão de Resposta ao Coronavírus esteve reunida na véspera e definiu as linhas gerais das novas ações. A tarde de terça-feira (28) foi de diversas reuniões para ajustar os detalhes.

O anúncio foi precedido por manifestações da diretora técnica da Secretaria Municipal de Saúde e do diretor hospitalar da Unimed. A médica Aldarice Pereira da Fonseca confirmou a 17ª morte por Covid-19 em Chapecó. Trata-se de um homem de 71 anos, que estava internado no Hospital Regional do Oeste (HRO). Já o cirurgião vascular Mário Goto fez um relato da experiência profissional em relação a doença. Em tom de desabafo, Gotto afirmou que a situação no município se aproxima do limite.

Foto cedida pela Prefeitura de Chapecó

MEDIDAS

A multa para quem descumprir medidas restritivas e de proteção foi aumentada. O prefeito Luciano Buligon disse que um projeto de lei será encaminhado para a Câmara de Vereadores de Chapecó, com o objetivo de cassar o alvará do estabelecimento que insistir em promover aglomerações.

Os bares, restaurantes e similares terão de fechar às 18 horas, no período de 31 de julho (sexta-feira) a 15 de agosto. Após esse horário, apenas o sistema delivery será permitido ou a retirada em balcão.

Está decretado feriado em dois domingos, nos dias 2 e 9 de agosto, com estabelecimentos fechados. Nestes dois os bares, restaurantes e similares poderão funcionar até às 15h. Após, apenas delivery.

Luciano Buligon ressaltou que o transporte coletivo de passageiros segue suspenso (conforme decreto da semana passada), assim como parques e espaços públicos permanecem fechados, além dos Restaurantes Populares e a Cidade do Idoso. As aulas presenciais ainda não voltaram.

O prefeito de Chapecó anunciou ainda a compra de 10 mil novos testes para Covid-19, quem em breve serão realizados. O prefeito Luciano Buligon enfatizou que “aglomeração é um deboche” com quem faz a sua parte no combate a doença. “O primeiro que descumprir, eu vou dizer quem é a pessoa…direitos individuais não estão superiores aos direitos coletivo. Não é com deboche que nós vamos vencer…é com disciplina, multa e obrigatoriedade”, complementou.

Fonte: ASCOM

ASSISTA A LIVE – (29/07/20)