CHAPECÓ
Geral Empresário é preso após atropelar Peruano no centro em Chapecó

Empresário é preso após atropelar Peruano no centro em Chapecó

9148

Um caso de preconceito racial resultou na prisão do empresário na tarde da quarta-feira 4 em Chapecó/SC. Segundo informação da Polícia Civil, o empresário é suspeito de atropelar um homem de nacionalidade peruana na madrugada do dia 05 de junho, por volta das 00h10, de propósito. O caso foi registrado na Avenida Getúlio Vargas, esquina com a rua Guaporé, Centro em Chapecó/SC. Imagens de monitoramento flagraram o momento da tentativa de homicídio. A vítima, de 40 anos, era vendedora de algodão doce e carregar os produtos quando foi atropelado. as câmeras mostram o momento em que o suspeita chama a vítima e, em seguida, a atropela. a vítima relatou que não conhecia o homem e que ele ofendeu no momento em que o chamou. Após atropelar a vítima, o suspeito fugiu do local a vítima ficou gravemente ferida e foi socorrida pela Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros, que chegaram no local cerca de 10 minutos depois a vítima foi encaminhada ao Hospital Regional do Oeste onde ficou internada por 60 dias. Ele sofreu fratura exposta na perna esquerda e diversos ferimentos pelo corpo.

Nos dias seguintes, a família da vítima registrou um boletim de ocorrência a polícia civil investiga ou o caso durante dois meses e meio durante a investigação, detalhes do crime não foram divulgados.

o empresário tem 28 anos e dirigia um Audi na cor branca no momento do atropelamento. O suspeito mora em passo fundo Rio grande e tem uma empresa em Chapecó. Ele já tinha passagem pela polícia Ice por crime de trânsito com embriaguez no volante. Além disso, tem passagem por tentativa de homicídio.

A prisão preventiva ocorreu na empresa do suspeito, localizado na rua Rio de janeiro, no centro de Chapecó. o delegado responsável pela investigação, Thiago Oliveira, afirmou que o suspeito não resistiu à prisão mas se mostrou surpreso. A pena para esse tipo de crime é de 12 a 30 anos de prisão ponto policiais não divulgaram o nome do empresário.

Delegado regional Ricardo Casagrande, Thiago Oliveira e Willian Meotti explicaram como ocorreu a investigação do caso.