Falta de chuvas mantém o drama da estiagem em Santa Catarina

9954

Os prejuízos causados pela estiagem em Santa Catarina continuam preocupando os produtores catarinenses, especialmente nas regiões Oeste, Extremo Oeste e Meio Oeste, onde o déficit hídrico no ano alcança 801,9mm, 711mm e 895,9mm, respectivamente, de acordo com dados da Epagri/Ciram. A estiagem no Estado, que teve início em junho de 2019, já se mostra a mais severa desde 2005. A precipitação esperada para o final semana, especialmente no Oeste, não se confirmou e a escassez continua.

A situação é preocupante, porque as previsões indicam chuvas abaixo da média até janeiro, o que impactará drasticamente na safra. Sem chuvas, tanto o Governo quanto os produtores buscam soluções paliativas para amenizar o problema

O vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), Enori Barbieri, afirma que essa é a seca mais dramática que Santa Catarina está vivendo.

“Mais de 110 aviários de uma agroindústria estão parados no Oeste. O restante está contratando caminhões-pipa para puxar água. A safra de milho já tem perdas de zero a 100% e a soja plantada está aguardando umidade para germinar. O que era um sonho neste ano, de bons preços praticados e maior rentabilidade para o agronegócio está se tornando um drama”, analisa o dirigente.

PREJUÍZOS

De acordo com levantamento feito pelo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola (Epagri/Cepa), o Extremo Oeste é a região catarinense cujos cultivos estão em situação mais delicada. Em seguida aparecerem Oeste e Meio Oeste. Milho (silagem e grão), fumo e pastagens sãos as culturas mais atingidas até o momento.

 O milho silagem acumula perda média de -6,75% na produção estadual, resultando numa produção esperada de 8,8 milhões de toneladas. Na região Extremo Oeste a perda média é de -13,76%, enquanto no Oeste fica em -7,24% e no Planalto Norte chega a -10,03%. Alguns municípios destas regiões já contabilizam perdas na produção superiores a 60%.

 Para o milho grão da primeira safra, até o momento, a perda média esperada para o Estado é de -4,12%. O maior impacto está no Extremo Oeste, onde a quebra de produção média é de -19,07%. No Oeste a perda está em -9,2%. Neste cenário, a produção esperada é de 2,8 milhões de toneladas.

O fumo enfrenta até agora uma redução média de -1,92% no Estado, com produção estimada em 209,7 mil toneladas. Fumicultores do Extremo Oeste já acumulam perdas de -14,16%, no Oeste as perdas são de 7,94% e no Meio Oeste chegam a 6,05%.

Até o início de novembro, diversas regiões registravam impactos negativos da estiagem sobre a qualidade e quantidade de pastagens disponíveis para a produção animal, o que afeta o ganho de peso e a produção de leite, bem como na disponibilidade de água para os animais. As regiões mais atingidas também são Extremo Oeste, Oeste e Meio Oeste, que respondem por 80% da produção leiteira catarinense.

 Fonte: Epagri/Ciram