NOTA À IMPRENSA

8512

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Investigação Criminal de Chapecó,
órgão com atribuição constitucional e legal para a apuração de infrações penais, dentre elas as de homicídio, considerando os reiterados pedidos de esclarecimentos por parte da imprensa no tocante à decretação da prisão preventiva de C. T. B., de 63 anos de idade, identificada como sendo a mandante do homicídio tentado qualificado pelo pagamento de recompensa e pelo motivo fútil, praticado em desfavor de MARIA APARECIDA MORAES, de 48 anos de idade, atingida por projéteis de arma de fogo no dia 03 de junho deste ano corrente, na Avenida Marechal Deodoro da Fonseca, esquina com a Avenida Getúlio Dorneles Vargas, nesta Cidade de Chapecó, Estado de Santa Catarina, manifesta-se no seguinte sentido:
1. Após intenso trabalho investigativo realizado pela Polícia Civil, demonstrou-se
que o fato não se tratava de uma tentativa latrocínio, e, sim, de um crime encomendado pela exesposa do atual companheiro da vítima, que envolveu, ao todo, quatro indivíduos. Ao final do procedimento policial, foram eles indiciados pelas seguintes infrações penais:
I – D. R. G. L.: a) tentativa de homicídio qualificada pelo recebimento de recompensa e pela impossibilidade de qualquer forma de defesa por parte da vítima, porque recebeu quantia monetária para ceifar uma vida humana, tendo atirado pelas costas; b) porte ilegal de arma de fogo, visto que portou arma de fogo e munição, de uso permitido, sem autorização e em desacordo com determinação legal/regulamentar; e c) uso de documento falso e falsa identidade, haja vista que, inicialmente, atribui-se identidade falsa para obter vantagem, em proveito próprio, e, não obstante, fez uso de cédula de identidade falsa;
II – A. E.: tentativa de homicídio qualificada pelo recebimento de recompensa
e pelo motivo fútil, porque recebeu quantia monetária para ceifar a vida da vítima, com a finalidade de que o seu atual companheiro reatasse o relacionamento amoroso anterior com C. T. B. – logo, era do seu conhecimento o motivo fútil pelo qual o homicídio iria ocorrer;

III – F. A.: tentativa de homicídio qualificada pelo recebimento de recompensa e pelo motivo fútil, porque, juntamente de sua esposa A. E., recebeu quantia monetária para ceifar uma vida humana, com a finalidade de que o atual companheiro da vítima, com isso, reatasse o relacionamento amoroso anterior com C. T. B. – logo, era do seu conhecimento o motivo fútil pelo qual o homicídio iria ocorrer;
IV – C. T. B: tentativa de homicídio qualificada pelo pagamento de recompensa e pelo motivo fútil, porque pagou à A. E. quantia monetária para que fossem empreendidos os meios necessários no sentido de pôr fim à vida da vítima, objetivando que o seu ex-marido reatasse o relacionamento consigo – eis o motivo fútil, desproporcional.
2. Finalizado o Inquérito Policial, encontram-se encarcerados D. R. G. L. e A. E.,
ao passo que o indiciado F. A. está atualmente foragido. C. T. B., por sua vez, respondia em liberdade, tendo em vista que colaborava ativamente com as investigações policiais.
3. Justificada pela necessidade de se resguardar a ordem pública, no dia 19 de novembro deste ano corrente, a prisão preventiva da mandante do crime foi decretada judicialmente, sendo que ela, conforme contatos mantidos com os seus familiares, deveria se apresentar à Polícia Civil na tarde desta última sexta-feira (22/11/2019), o que não ocorreu.
4. Portanto, a Polícia Civil confirma a existência de mandado de prisão preventiva
ativo em desfavor de C. T. B., de 63 anos de idade, e solicita que qualquer informação que leve ao seu paradeiro seja repassada aos números telefônicos 197 ou 190.
Chapecó/SC, 23 de novembro de 2019.

Vagner Tiago Ramos Papini
Delegado de Polícia Civil