Óculos de sol muito mais que um simples acessório

9308

Férias, sol, praia e piscina combinação perfeita para alertarmos sobre os cuidados com os olhos. Além da pele, esse órgão também necessita de proteção o tempo todo, isso porque os raios UV (ultravioletas) chegam com mais intensidade, podendo provocar conjuntivite e ceratite de exposição.

O contato dos olhos com a água salgada do mar, o cloro da piscina e a areia da praia podem causar irritações, vermelhidões, fotofobia (desconforto com a luminosidade), que podem ser indicadores de problemas oculares gerados pela exposição ao sol e o contato com bactérias e corpos estranhos.

O óculos de sol é o acessório indispensável na proteção desta região, porém é preciso estar atento as especificações do produto para não gerar efeito contrário. A médica oftalmologista doutora Giselle Caon, alerta para os cuidados na hora da escolha do produto. “Geralmente as óticas oferecem vários modelos com proteção ultravioleta (UVA e UVB) que são as essenciais e responsáveis por filtrar os raios que a nossa córnea não é capaz de absorver. Ocorre muito de o paciente levar o óculos até o consultório para que possamos verificar se contém todas as especificações”, explica.

A doutora explica que a região do olhos necessita de proteção contínua, Isso vale para amanhecer e pôr do sol, quando ainda há incidências de radiações. “E não somente no verão, no inverno também é preciso proteger os nossos olhos, uma vez que os efeitos da radiação ultravioleta são cumulativos, e nesta época também há muita incidência”, afirma.

O modelo do óculos não interfere no grau de proteção, a não ser em casos de pacientes que já utilizem óculos de grau, nestes casos o médico deve indicar qual o modelo e tamanho ideal para este paciente. “Recomendamos sempre que se faça a aquisição dos óculos em lojas especializadas”.

Assim como na pele, a longo prazo a exposição direta dos olhos ao sol pode gerar consequências como doenças da conjuntiva, como pterígio, e alguns tumores, bem como a maior incidência de catarata e, possivelmente, degeneração da mácula em idades avançadas.

Flavia Mota