Pandemia muda visão sobre espaços de moradia

Na região Oeste do estado procura por casas teve salto de 70% nos últimos meses.

8651

Com mais de 1.668.589 casos de coronavírus em todo o país, cada vez mais, ficar em casa tem sido uma das maiores recomendações para garantir a saúde e a segurança dos brasileiros. Uma quarentena que já dura quase quatro meses tem sido tempo suficiente para muitas pessoas descobrirem que seus espaços de moradia são muito pequenos ou que faltam ambientes adequados para a nova rotina.

A Arquiteta Lia Hermann comenta que a procura por projetos de casas sofreu um salto de 70% desde o início da pandemia na região Oeste do estado, demonstrando uma mudança de comportamento do consumidor. “As pessoas estão gastando menos em outras coisas e procurando investir mais no conforto e aconchego das suas casas, buscando mais espaço e focando nas áreas comuns da residência”, afirma.

Pensando no bem-estar dos moradores, a maior procura tem sido por casas com espaços externos, de lazer e convivência maiores, enquanto as áreas íntimas têm tido menos espaço. De acordo com um levantamento do site de buscas de imóveis Imovelweb, em maio, a procura por casas com varanda foi 128% maior do que no mesmo período do ano passado, enquanto que as casas com quintal tiveram 96% de aumento nas buscas. “Observamos que aumentou a intenção de criar espaços para receber as pessoas, com maior conforto: varandas na extensão da residência, espaços para pequenos campinhos nos terrenos, áreas de gramado, piscina, ofurô, salão de festas e brinquedoteca”, detalha.

Apesar de a arquiteta observar que em Chapecó a maior procura vem sendo por casas urbanas ou em condomínios, em todo o país, a procura por casas de campo aumentou 124%, ainda de acordo com o Imovelweb.

Home office

Outra mudança percebida por Lia é a retomada da inclusão dos home offices nos projetos residenciais. Com a pandemia, muitas empresas se obrigaram a adotar o sistema de trabalho remoto e muitos profissionais tiveram que se adaptar para continuar produzindo em casa, mesmo que em um espaço improvisado. Por isso, o ambiente entrou novamente no planejamento das famílias. “Antes o escritório não era muito solicitado e agora todo mundo está querendo um espaço para home office”, relata Lia.

 

Atendimento

Seguindo a necessidade de proteção de clientes e profissionais, o escritório de arquitetura também buscou adequação para garantir o atendimento dos clientes e tem trabalhado em regime home office, com escala de profissionais para evitar aglomeração de pessoas. Outra mudança bastante visível em relação ao atendimento, segundo a arquiteta, é que muitas pessoas estão preferindo fazer a primeira conversa através das mídias digitais e depois presencialmente.

Localizado em Chapecó, o escritório fica na Casa Make, Avenida Getúlio Vargas, 4135N 2º andar. O contato pode ser feito pelo telefone (49) 99150-3697; e-mail projetos@liaherrmann.com.br, pelo Instagram @liaherrmannarquiteta ou Facebook @arqliahe.

Flavia Mota