CHAPECÓ
Início Destaques Polícia Civil de Chapecó deflagra mais uma etapa da Operação “WOODSTOCK CONDÁ”

Polícia Civil de Chapecó deflagra mais uma etapa da Operação “WOODSTOCK CONDÁ”

231

A Polícia Civil de Chapecó, por meio da Divisão de Investigação Criminal – DIC, deflagrou na manhã deste dia 22 de agosto de 2018 a quarta fase da operação “Woodstock Condá”, uma das maiores operações contra o tráfico de drogas realizadas neste ano no Estado de Santa Catarina.

A operação “Woodstock Condá” tem relação com múltiplos inquéritos policiais em trâmite na Divisão de Investigação Criminal – DIC de Chapecó/SC nos quais já foram investigados cerca de 40 (quarenta) pessoas pela prática dos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas, bem como formação e integração de organização criminosa, previstos, respectivamente, nas Leis 11.343/06 e 12.850/13.

O esquema de fornecimento de drogas (especialmente de drogas sintéticas e formas refinadas de maconha) está sendo combatido pela Polícia Civil de Chapecó/SC desde os primeiros meses do ano, já contando o conjunto de operações policiais denominado “Woodstock Condá” com (18 +) presos por envolvimento com o tráfico de drogas e crimes afins.

Trata-se, em seu conjunto, de uma das mais expressivas operações policiais de toda a região sul do Brasil neste no de 2018, já contando com o cumprimento de 52 (cinquenta e dois) mandados de busca e a apreensão de diversos tipos e quantidades de drogas ilícitas, bem como efetuado a prisão de 22 (vinte e duas) pessoas até o momento.

Na manhã de hoje, sob a coordenação da Divisão de Investigação Criminal – DIC de Chapecó, policiais civis de Chapecó/SC deram cumprimento a mais 5 (cinco) mandados de busca e apreensão durante toda a manhã.

4 (quatro) foram presas em flagrante e outras duas foram conduzidas para termo circunstanciado por posse de drogas, uma em Chapecó/SC e outra em Modelo/SC.

A operação policial é continuação da operação “Woodstock Condá” deflagrada em sua primeira fase no dia 10 de maio de 2018, ocasião na qual foram cumpridos dezenas de mandados de busca e apreensão e presas 10 (dez) pessoas de uma única vez.

Já no dia 15 de maio de 2018 outros seis investigados foram alvos de buscas realizadas em suas residências e locais sobre os quais havia suspeita de serem utilizados para o armazenamento de drogas ilícitas. Nesta ocasião, foram presas em flagrante 2 (duas) pessoas, conduzidas outras 2 (duas) para termo circunstanciado, bem como apreendidas armas de fogo e drogas.

Por sua vez, em 28 de junho de 2018 foi realizada a terceira fase da operação, durante a qual foram cumpridos 4 (quatro) mandados de prisão temporária e 18 (dezoito) mandados de busca e apreensão. Na ocasião, duas pessoas foram presas em flagrante na posse de drogas ilícitas.

Não bastasse, em atuações mais cirúrgicas e individualizadas, 2 (dois) outros indivíduos foram presos em flagrante na posse de drogas ilícitas no curso das investigações. O primeiro foi preso alguns dias após a primeira fase da operação na posse da droga conhecida como “skank”, um tipo especial de maconha. Na casa também foi encontrada uma pequena plantão da droga. Por sua vez, o segundo indivíduo foi preso no último dia 15 de agosto de 2018 em um apartamento no centro de Chapecó/SC. No local foram encontrados petrechos para o tráfico de drogas, haxixe, comprimidos de ecstasy e uma significativa quantidade de sementes de diversos tipos de maconha, algumas raramente cultivadas em solo brasileiro.

Intitulada em referência ao famoso festival musical ocorrido nos EUA no ano de 1969 e à ampla difusão de drogas na região chapecoense, a operação “Woodstock Condá” já resultou na prisão de vários traficantes de drogas e na apreensão de significativa quantidade de drogas ilícitas, destacando-se grande quantidade de ecstasy e maconha.

A operação mobilizou cerca de 40 (quarenta) policiais civis e contou pela primeira vez com o apoio do cão farejador Colt, o mais novo recurso da Polícia Civil de Chapecó/SC no combate ao tráfico de drogas, recentemente trazido de uma unidade especializada em treinamento de cães farejadores no Estado de Goiás.

Fonte: Polícia Civil