Polícia Civil esclarece homicídio ocorrido em 2016 em Pinhalzinho e indicia cinco pessoas

8544

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Polícia de Pinhalzinho/SC, concluiu inquérito policial sobre o homicídio de SANDRO PIRES DE MELO, na época com 42 anos, e indiciou 5 pessoas.

Sandro desapareceu no final da tarde de 30/05/2016, em Pinhalzinho, onde morava. Segundo a companheira na época, ele recebera ligação para comparecer à subestação que estava sendo construída na Linha Machado, interior de Pinhalzinho, para fazer orçamento de manutenção de gramado (Sandro era proprietário de uma grameira).

O veículo que Sandro usava na ocasião foi encontrado pela viúva na manhã seguinte, em uma “pedreira”, situada às margens da Rodovia SC 160, próximo ao CTG, em Modelo. O corpo de Sandro foi encontrado três semanas depois, em 20/06/2016, às margens da Rodovia SC 160, na Linha Doze de Novembro, interior de Campo Erê.

A investigação demonstrou que o crime foi encomendado pelo então sogro da vítima, em razão de desavenças pessoais, familiares e financeiras, já que ambos também eram sócios em uma empresa do ramo de gramas.

Na ocasião, a mando do sogro, os 4 executores atraíram Sandro para a subestação, onde 3 deles na época trabalhavam como seguranças, e realizaram a emboscada. O assassinato ocorreu ali perto, nas margens da rodovia, próximo ao CTG, em Modelo, onde desferiram um golpe fatal de facão na cabeça da vítima, que veio a óbito. Depois disso, eles levaram o corpo até Campo Erê, onde o enterraram.

Os elementos coletados mostraram ainda que o valor acertado pela execução girou em torno de 50 a 70 mil reais.

Interrogados, todos negaram envolvimento, porém dois dos executores admitiram que de fato receberam proposta do sogro da vítima para mata-lo.

Os suspeitos foram indiciados pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Uma vez que se verificou que o crime aconteceu em Modelo (e não em Pinhalzinho como se acreditava no início), o inquérito foi encaminhado à Comarca de Modelo, onde eles serão julgados.

Ainda, em razão da gravidade do crime, do risco à ordem pública e também de que pudessem os autores ameaçar alguma testemunha ou mesmo se evadirem, a Polícia Civil pediu a prisão preventiva de todos eles, o que teve manifestação favorável do Ministério Público. Porém o pedido foi negado pelo Poder Judiciário, que decretou a eles outras medidas cautelares (diversas da prisão).

Além disso, o Ministério Público de Modelo ofereceu denúncia em desfavor dos indiciados, o que foi aceito pelo Judiciário. Agora eles são réus e provavelmente irão a júri.

Por fim, a Polícia Civil esclarece que a demora para a conclusão da investigação se deve a três fatores: ao fato de se tratar de caso bastante complexo; em razão de a investigação de ter sido encaminhada para outra Delegacia quando o corpo foi encontrado (já que havia indicativos de ter sido o crime praticado em Campo Erê), somente depois retornando a Pinhalzinho; e em razão de ter havido nesse meio tempo algumas trocas de Delegados em Pinhalzinho e também dos policiais responsáveis pela investigação.

Fonte: Polícia Civil