Policia Civil esclarece homicídio ocorrido no mês de maio em Chapecó

139
Adriane Siqueira/Grupo CH News

Na tarde de ontem foi realizado pela Policia Civil de Chapecó a entrevista coletiva sobre o homicídio de Jaison Deniz Biesek, de 36 anos. O crime ocorreu no dia 26 de maio, no Bairro Palmital. A principal indicativa do motivo foi vingança.

As investigações dos policias da Divisão de Investigação Criminal (DIC) iniciaram com buscas a testemunhas do acontecido. Foi constatado que quem atirou em Jaison estava em um veículo da marca Volkswagen, Santana, de cor preta e que o dono do automóvel morava na Vila Pulga.

“A Policia então foi até a Vila Pulga, onde foi identificado três veículos Santana, sendo que o dono de um dos carros prestou depoimento. Neste depoimento, foi informado que um dos proprietários do Santana tinha extenso número de passagens pela policia”, explica o Delegado responsável Vagner Papinni.

Foi identificado então o proprietário do veículo e segundo informações, na noite do crime, ele estava acompanhado de um segundo indivíduo. Foram expedidos então mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva aos dois suspeitos. O objetivo era encontrar a arma de fogo utilizada no crime.

No dia 19 de junho, a Policia Militar de Chapecó abordou um dos investigados. “O individuo foi interrogado por agentes da policia civil e optou por revelar detalhes do homicídio. Ele então assumiu a autoria do homicídio, mencionou que estava no banco de carona do veículo Santana e que estava sendo conduzido no dia por uma pessoa elencada pelo depoente como ‘pia’”, explica Papinni. O homem de 19 anos se negou a revelar a identidade do motorista.

De quatro disparos, dois atingiram a vítima. Nas investigações realizada nas residências dos suspeitos, nada foi encontrado. Um deles, de 21 anos continua foragido. O motivo alegado pelo interrogado foi vingança, pois Jaison teria delatado os dois a polícia.

Tanto os autores do crime, quanto a vítima possuíam diversas passagens pela polícia. A vitima por furto e os autores pro tráfico de drogas, tentativa de homicidio e porte ilegal de armas de fogo. O inquérito foi encerrado no dia 10 de julho, indiciando os dois autores por homicídio qualificado. As penas devem ser de 12 a 30 anos de reclusão.