CHAPECÓ
Notícias Regras trabalhistas criadas na pandemia já têm data para expirar

Regras trabalhistas criadas na pandemia já têm data para expirar

9800
Uma série de regras de trabalho criadas durante a pandemia de Covid-19 devem perder a validade no próximo domingo (22). Entre elas, estão o retorno de mulheres grávidas ao trabalho presencial (vacinadas ou não), extinção do home office, antecipação de férias, suspensão de contratos e redução de salários e jornadas de trabalho por parte das empresas, sendo estas medidas motivadas pela pandemia.

A retomada das normas pré-pandemia voltam ao centro de debate após o encerramento da situação de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional. O advogado especialista em direito do trabalho Maikon Rafael Matoso alerta para pontos que precisam de atenção.

“Desde abril, quando a Portaria foi publicada, as empresas e empregadores já deveriam estar se preparando para este retorno, que ocorre a partir do dia 22 de maio, e requer atenção de ambas as partes”, explica o advogado.
“Para as empresas, a dica de ouro, é rever e, se for o caso, refazer os contratos de trabalho que adotaram algumas das medidas permitidas no decorrer da pandemia, como o teletrabalho ou jornada reduzida”, enfatiza Matoso.
No entanto, o fim do home office não está decretado. “As empresas que optarem por permanecer com o teletrabalho devem fazer um termo de ajuste no contrato de trabalho com o objetivo de formalizar o vínculo com o trabalhador”, pondera o advogado. As empresas que desejarem o retorno de todos os funcionários, devem fazer um comunicado oficial.

Matoso diz que o funcionário afastado por comorbidade ou gravidez que não quiser voltar ao presencial pode ter seu vínculo rompido legalmente, sob alegação de abandono de serviço.
Sobre a comprovação de vacinação contra a Covid-19, o advogado reforça que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que diz que apesar da vacinação não ser compulsória e forçada, as medidas restritivas previstas em lei, como multa, impedimento de frequentar determinados lugares e fazer matrícula em escola podem ser aplicadas.

Deixam de vigorar, ainda, normas como o uso obrigatório de máscaras, distanciamento social, ventilação dos espaços e as condutas e afastamentos de casos suspeitos ou confirmados.
“Vale lembrar que, juntamente com as recomendações legais, vale o bom senso e as particularidades de cada empresa. Uma retomada segura do ritmo de trabalho requer segurança – jurídica e sanitária – e como o vírus da Covid-19 continua circulando, bem como outras viroses típicas do inverno, como a gripe e a pneumonia, o ideal é manter procedimentos preventivos que protejam o negócio como um todo, incluindo a saúde dos trabalhadores”, completa o advogado.

Fonte: ND+
Secured By miniOrange