CHAPECÓ
Destaques Saiba como populações, de outras épocas, rezaram durante período de pandemias

Saiba como populações, de outras épocas, rezaram durante período de pandemias

10002

Você deve estar acompanhando as diferentes reações da população brasileira no cotidiano, e observando o quanto os mecanismos de busca da internet mostram aumento de pesquisas sobre saúde mental, morte por causa do novo Coronavírus – Covid-19, desesperança e impaciência no aguardo da chegada da vacina. Certo?

A pergunta é: o que as pessoas impactadas pelo grande número de mortes, principalmente de parentes, amigos e familiares, e pela demora do fim da pandemia, fazem quando acham que nada mais funciona?
VEJA EXEMPLOS:
Peste bubônica: Segundo a BBC News Brasil, quando a peste bubônica alcançou a Europa, aproximadamente em 1350, e matou um terço da população, foram muitas as pessoas que buscaram o fim da peste pedindo ajuda a Deus, de forma a rezarem, “desesperadamente, para que a praga terminasse”.
Varíola: Serioga R. C. Mariano, ao estudar as “Medidas de Combate à Varíola na Parayba no século XIX” (2019, p. 10), a partir de 1866, conta que, após a população tentar de tudo para vencer a doença, inclusive com a prática de suas tradições religiosas, e quando nada mais dava certo, “pessoas e poderes públicos recorriam à ajuda da Providência Divina”, e era comum acreditar na punição dos culpados pela divindade, por causa dos seus pecados, recorrendo a rituais de penitência e autoflagelos comunitários.
Febre Amarela: Em seu livro, História da Febre Amarela (Rio de Janeiro, 1969, p. 19), Dr. Odair franco relata que a primeira epidemia da febre amarela no Brasil foi a que irrompeu no Recife em 1685 […]. Cita o médico João Ferreira da Rosa, que escreveu o livro Tratado único da Constituição Pestilencial de Pernambuco, de 1694. Ele registrou: “[…] esta doença é particularmente castigo de Deus pelos pecados dos homens […] por causa dos péssimos costumes”.
E hoje, como você se vê em relação à pandemia atual? Também considera que ela ocorre por causa dos seus pecados ou dos pecados comunitários? Pessoas que você conhece exortam à mudança de vida e à necessidade de penitência pessoal e comunitária para que ela termine?
No seu artigo Pecado, Castigo e Redenção: a Peste como Elemento do Proselitismo Cristão (Portugal, Séculos XIV/XVI) (v. 2, n. 3, 1997, p. 183-205), Mario Jorge da Motta Bastos salienta que, talvez, “[…] a doença traduz a temporária ausência divina, a de sua verdadeira face, do Pai misericordioso”, para algumas pessoas, o que é diferente para outras.
Se você lê a Bíblia, sabe que existem relatos de pandemias e de orações para que elas terminem. Reveja os livros de Êxodo e Deuteronômio, entre outros, e registre, também, sua forma de ver o momento presente, a sua experiência. Vamos nessa?
Fonte: BBC