Traumas oculares aumentam com festas de fim de ano

8682

Você sabia que é durante as festas de fim de ano que o número de traumas oculares aumentam? Isso ocorre normalmente em acidentes envolvendo fogos de artifícios e espumantes.

Estima-se que 20% dos traumas ocorridos no réveillon são consequentes da falta de cuidados com o estouro das espumantes e o contato delas com a região dos olhos. Nos EUA, existe uma estimativa de que 8.700 ferimentos tratados na emergência nesta época do ano estão relacionados à queima de fogos, sendo que 12% acometem a região dos olhos.

Os dados chamam ainda mais atenção quando falamos em casos de cegueira. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a cada ano, entre 1,5 milhão e 2 milhões de pessoas no mundo perdem completamente a visão em consequência de danos causados por traumas oculares.

As médicas oftalmologistas doutoras Giselle Caon e Denise Caon Rahmeier, do Instituto de Olhos Sizenando Souza Filho explicam que os traumas oculares podem ser perfurantes, por corte ou perfuração do globo ocular devido ao contato com algum corpo estranho ou eles podem ser contusos, por uma batida ou contato mais forte na região dos olhos.

“Isso pode ocorrer por uma simples bolada, durante um brincadeira ou muito comum nesta época, as rolhadas ao estourar as champanhes no fim de ano. Essa é uma região muito sensível do nosso corpo, e qualquer contato mais agressivo pode gerar desde um simples arranhão na córnea até um descolamento de retina, além do desencadeamento de uma catarata precoce ou glaucoma, dependendo da gravidade e até mesmo em alguns casos uma hemorragia intraocular”, afirmam as doutoras.

Além destes traumas, há ainda os acidentes domésticos. As especialistas explicam que é muito comum acidentes envolvendo o contato de produtos químicos com os olhos que geram queimaduras nesta região. Elas ainda alertam para as consequências quando a procura pelo médico especialista demora. “No caso das crianças isso é mais comum, pois elas tendem a omitir dos pais brigas ou quedas, isso é muito perigoso. A demora pela procura do médico pode gerar danos irreversíveis. Nestes casos de traumas oculares o acompanhamento médico deve ser periódico, mesmo nos mais leves”, explicam.

Em caso de lesões por contato de produtos químicos, a recomendação é que se lave a região com água abundante e em seguida procure o médico, já em caso de lesões por perfuração ou contusões a procura pelo especialista deve ser o mais rápido possível.

 Traumas oculares aumentam com festas de fim de ano

Você sabia que é durante as festas de fim de ano que o número de traumas oculares aumentam? Isso ocorre normalmente em acidentes envolvendo fogos de artifícios e espumantes.

Estima-se que 20% dos traumas ocorridos no réveillon são consequentes da falta de cuidados com o estouro das espumantes e o contato delas com a região dos olhos. Nos EUA, existe uma estimativa de que 8.700 ferimentos tratados na emergência nesta época do ano estão relacionados à queima de fogos, sendo que 12% acometem a região dos olhos.

Os dados chamam ainda mais atenção quando falamos em casos de cegueira. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) a cada ano, entre 1,5 milhão e 2 milhões de pessoas no mundo perdem completamente a visão em consequência de danos causados por traumas oculares.

As médicas oftalmologistas doutoras Giselle Caon e Denise Caon Rahmeier, do Instituto de Olhos Sizenando Souza Filho explicam que os traumas oculares podem ser perfurantes, por corte ou perfuração do globo ocular devido ao contato com algum corpo estranho ou eles podem ser contusos, por uma batida ou contato mais forte na região dos olhos.

“Isso pode ocorrer por uma simples bolada, durante um brincadeira ou muito comum nesta época, as rolhadas ao estourar as champanhes no fim de ano. Essa é uma região muito sensível do nosso corpo, e qualquer contato mais agressivo pode gerar desde um simples arranhão na córnea até um descolamento de retina, além do desencadeamento de uma catarata precoce ou glaucoma, dependendo da gravidade e até mesmo em alguns casos uma hemorragia intraocular”, afirmam as doutoras.

Além destes traumas, há ainda os acidentes domésticos. As especialistas explicam que é muito comum acidentes envolvendo o contato de produtos químicos com os olhos que geram queimaduras nesta região. Elas ainda alertam para as consequências quando a procura pelo médico especialista demora. “No caso das crianças isso é mais comum, pois elas tendem a omitir dos pais brigas ou quedas, isso é muito perigoso. A demora pela procura do médico pode gerar danos irreversíveis. Nestes casos de traumas oculares o acompanhamento médico deve ser periódico, mesmo nos mais leves”, explicam.

Em caso de lesões por contato de produtos químicos, a recomendação é que se lave a região com água abundante e em seguida procure o médico, já em caso de lesões por perfuração ou contusões a procura pelo especialista deve ser o mais rápido possível.

Flavia Mota